Reciclagem

Outubro 25 2011

«Esta última campanha Reciclar é Dar e Receber já contribuiu para que recuperássemos um pouco relativamente ao vidro recolhido. Os indicadores apontam para um crescimento mais acelerado do que o verificado até agora. Acreditamos que até ao final do ano conseguiremos cumprir a meta do vidro», afiança ao AmbienteOnline Luís Veiga Martins, director-geral da Sociedade Ponto Verde: 

Este ano e contrariamente ao expectável, a meta do vidro foi a única que não foi cumprida pela SPV. «O vidro teve uma aceleração mais baixa o que não faz sentido tendo em conta que é o material que há mais tempo é recolhido e reciclado em Portugal. A nossa estratégia passou por reforçar o canal dos restaurantes, cafés e hotéis, tendo em conta que 60 por cento das embalagens de vidro colocadas no mercado serem consumidas fora de casa», explica o responsável 

Para reforçar este material a SPV, pela primeira vez, lançou uma campanha uni-material, que além da reciclagem visa a criação de salas de estudo.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:26

Outubro 18 2011

Um vidro pode se transformar em outro vidro, sem perda de qualidade, várias vezes. No processo, o material é separado por cores, sem tampas e rótulos, e vale mesmo quando está quebrado. Depois é “triturado” em pequenos pedaços e entra na composição que vai formar um novo vidro: areia, barrilha, calcário e feldspato.

 

Segundo dados da Abividro, a reciclagem de vidro no Brasil saltou de 15% em 1991 para 47% em 2008. Por ano, segundo o CEMPRE, são produzidas em média 980 mil toneladas de embalagens de vidro que usam cerca de 45% de matéria-prima reciclada na forma de cacos.

As vantagens
Reciclar vidro evita a retirada de mais matéria-prima da natureza. A economia de energia e a emissão de gases poluentes também diminuem. Por exemplo: para fabricar do vidro com matérias-primas virgens, é necessário que a temperatura do forno chegue a 1.500°C. Se 30% da composição for de cacos de vidros reaproveitados, a temperatura de fusão baixa para 1.300° – e assim muita energia é economizada. (*)

A quantidade de lixo produzida também será menor, o que é essencial para aumentar a vida útil de aterros sanitários (sem contar que o tempo de decomposição do vidro na natureza é considerado indeterminado).

O que levar para a reciclagem?
Garrafas, potes e frascos devem estar limpos e secos. Lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou temperados, cerâmica e porcelana, porém, não entram nessa lista. Isso porque eles apresentam uma composição química diferente, que dentro do processo de fabricação do vidro pode originar produtos com defeito.

Também não podem ter na mistura terra, pedras, cerâmica e louças, pois quando são fundidos, geram partículas que diminuem a resistência das embalagens. A contaminação por metal (as tampas, por exemplo) também prejudica o processo, pois forma bolhas e manchas, além de danificar o forno.

Segundo o CEMPRE, os vidros também podem ser usados na composição de asfalto e pavimentação, construção de sistemas de drenagem contra enchentes, produção de espuma e fibra de vidro, bijuterias e tintas reflexivas.

Saiba mais
A PUC Rio produziu uma edição do  programa A Química do Fazer sobre a história do vidro, as formas de produção (artesanal e industrial) e os processos de reciclagem.

E você, separa o vidro para reciclagem?

fonte:http://super.abril.com.br/

publicado por adm às 22:49

Fevereiro 16 2011

A Sociedade Ponto Verde (SPV) encaminhou, em 2010, 667 000 toneladas de materiais para reciclagem, mais 11 por cento do que no ano anterior. O desafio era o de reciclar 55 por cento das quantidades declaradas pelos embaladores, meta que foi ultrapassada (59 por cento). No entanto, sublinha a SPV, a recolha do vidro ainda está aquém das metas, apesar da subida de seis por cento.

Em termos totais, foram encaminhadas 31 845 toneladas de papel/cartão,um crescimento de 11 por cento face ao ano anterior. No caso do vidro, o volume fixou-se nas 191 681 toneladas. O plástico totalizou as 65 080 toneladas, uma subida de 4,7 por cento, o metal cresceu 20,1 por cento para as 46 244 toneladas e as embalagens para alimentos líquidos (ECAL) cresceram 14 por cento, para 6 094 toneladas.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:10

Novembro 29 2010

Os algarvios continuam a mostrar uma atitude "exemplar" em matéria de reciclagem. Tal como no ano passado, a região do Algarve continua a apresentar os melhores resultados nacionais em separação de resíduos urbanos. Ao que o CM apurou, ao longo dos últimos dez meses, a região voltou a ser uma das que mais lixo encaminharam para reciclagem, em termos globais, em comparação com outras zonas do País.

 

Segundo dados da Algar, a empresa responsável pela gestão do sistema multimunicipal de tratamento e valorização dos resíduos sólidos da região do Algarve, até final de Outubro já foram recolhidas 21 379,67 toneladas de resíduos.

Os municípios do Barlavento foram os que reciclaram, até agora, a maior quantidade de resíduos, cerca de 12 mil toneladas. Portimão foi o concelho com maior quantidade separada, mais de 4,5 mil toneladas. Nos concelhos do Sotavento, a Algar recolheu no total 9,3 mil toneladas, sendo que só Loulé produziu 3,3 mil toneladas. Os meses de Julho e Agosto foram os mais ‘produtivos’ em matéria de reciclagem.

"Até ao final do ano, esperamos ultrapassar as 25 mil toneladas de lixo encaminhadas para reciclagem, um pouco acima dos valores do ano passado", admitiu ao CM Hélio Barros, administrador da empresa Algar. Esta quantidade deverá corresponder a uma capitação (relação quantidade/população) a rondar os 58 quilos por cada habitante. Segundo Hélio Barros, o aumento de produtos reciclados estará também "relacionado com a crise económica". É que actualmente "as pessoas estão a produ-zir mais lixo porque estão a ir mais aos supermercados e menos aos restaurantes".

Em 2009, no total, a Algar encaminhou para reciclagem 7834 toneladas de papel/cartão, 2150 toneladas de plástico e 13 201 toneladas de vidro. Foram ainda encaminhadas 644 toneladas de madeira e 362 toneladas de metais.

fonte:cmjornal

publicado por adm às 23:07

Novembro 02 2010

Prática dos séculos III e IV a. C. estava relacionada a falta de matéria prima para produzir o vidro.

 

A análise de 128 utensílios de vidro dos séculos III e IV a. C., encontrados nas ilhas Britânicas, sugere que a reciclagem era algo muito comum no período do Império Romano. Além de mais econômica, a prática estava relacionada com problemas de fornecimento do material, que pode ter sido mais restrito no fim do período romano, por conta das mudanças políticas que ocorreram com o fim do Império.

“Era mais fácil e mais econômico dissolver o vidro já existente, que era relativamente abundante, do que produzi-lo a partir do zero. A reciclagem de vidro consumia menos combustível e energia do que a fusão de matérias primas, que não eram comumente encontradas em todos os lugares”, disse ao iG Caroline Jackson do departamento de arqueologia da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, e autora do estudo publicado no periódico científico Journal of Archaelogical Science.

Os romanos exportaram a técnica de produzir vidro pelo Império. Feito de areia e de componentes químicos como o ferro, o vidro tinha coloração entre o azul e o marrom. Vidros sem coloração eram considerados mais chiques, pois lembravam cristal.

O vidro em sua cor natural era mais usado para janelas, garrafas e vasos. Para remover a cor azul, era necessário adicionar manganês ou antimônio, o que exigia habilidade e controle do forno. “O vidro era aquecido em vasos refratários de argila que iam para fornos. Eles eram coletados por pessoas especializadas na arte de reciclá-los”, disse.

Logística ruim
De acordo com Caroline, o vidro "bruto" romano era produzido em fornos enormes provavelmente no Mediterrâneo Oriental ou no Egito, onde havia às matérias-primas necessárias, como areia e natrão. “Estes fornos produziam grandes blocos de vidro que eram desmantelados e enviados através do império onde o vidro era então refundido em fornos menores”, disse.

fonte:ultimosegundo

publicado por adm às 22:24

Tudo sobre a Reciclagem
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
subscrever feeds
links