Reciclagem

Agosto 19 2013

A Resialentejo, empresa intermunicipal de tratamento e valorização de resíduos, encaminhou para reciclagem, no primeiro semestre do ano, 1 598 toneladas de resíduos.  

De acordo com os dados revelados pela empresa, verificou-se um aumento de 15,6 toneladas face a igual período do ano passado. As embalagens de papel/cartão foram os resíduos com mais expressão totalizando as 742,6 toneladas.

No que respeita aos resíduos de construção/demolição, no primeiro semestre deste ano registou-se um decréscimo de 879 toneladas face a período homólogo, o que representa um recuo de 86,1%. A esta queda não será alheia a crise que atinge o sector da construção civil.

Os resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos seguiram a mesma tendência. No primeiro semestre foram recebidas pela Resialentejo menos 2,2 toneladas do que nos primeiros seis meses do ano passado, o que representa uma descida de 11,7%.

A reciclagem de pneus usados aumentou no mesmo período 26,2%.

Entre Janeiro e Junho, comparativamente com o mesmo período do ano passado, os municípios depositaram menos 1 215 toneladas de resíduos em aterro.

 fonte:http://www.radiopax.com

publicado por adm às 11:11

Agosto 06 2013

Num mundo onde a pressão sobre os recursos naturais só aumenta e a preocupação com o meio ambiente se traduz em leis cada vez mais rígidas, a gestão adequada do lixo virou assunto estratégico dentro das empresas. E daqueles com potencial de falar alto ao bolso, ou melhor, ao caixa. A General Motors sabe bem disso.


No ano passado, a montadora mandou parareciclagem 90 por cento de todos os resíduos gerados no processo de fabricação de seus carrosmundo a fora, ao invés de enviá-los para aterros. Os louros foram colhidos: a iniciativa gerou receitas de cerca de R$ 2 bilhões, segundo o último relatório desustentabilidade da empresa.

Tal façanha foi alcançada com a implementação do programa Landfill Free (livre de aterro sanitário, em tradução livre), que visa reduzir a zero o volume delixo mandado para aterros. A meta é atingir 125 instalações da empresa em todo o mundo até 2020. Falta pouco.

Hoje, 106 unidades já reciclam 100% dos resíduos. Na lista entra de tudo - de sucata de aço e borra de tinta a caixas de papelão e pneus desgastados. 

Experiência brasileira

A primeira planta brasileira a consquistar o status livre de aterro, em 2012, foi a de Gravataí, no Rio Grande do Sul, de onde saem modelos como o Celta, Onix e Prisma.

A unidade atua em duas frentes para reduzir o impacto ambiental de suas operações. Primeiro, busca a redução do desperdício. Somado a isso, desenvolve ações que visem à reciclagem e à reutilização dos materiais.

“Uma empresa de manufatura de automóveis gera uma serie de resíduos, alguns com valor, como os retalhos da estamparia, que são disputados a tapas, e alguns de pouco valor, como borra de tinta, um resíduo perigoso, com metal pesado”, explica Nelson Branco, gerente de Meio Ambiente e Sustentabilidade da América Latina pela GM.

fonte:http://exame.abril.com.br/


publicado por adm às 22:41

Tudo sobre a Reciclagem
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
subscrever feeds
links