Reciclagem

Abril 30 2011

A companhia sueca de embalagens Tetra Pak apresentou a nova estratégia ambiental da empresa. Metas relacionadas a mudanças climáticas, produtos e matérias-primas sustentáveis e reciclagem foram apresentadas na última quinta-feira, 21 de abril.  Até 2020, a Tetra Pak pretende duplicar os níveis de reciclagem e manter o índice de emissões de dióxido de carbono registrados em 2010, mesmo com o previsto aumento de 5% de produção. Esse objetivo deverá alcançar uma redução de 40% nas emissões de CO2 em todos os caminhos de fabricação da empresa, tanto no tratamento, enchimento e embalagens para alimentos.  A cadeia de valor da empresa, com fornecedores e clientes, também será convidada a colaborar com a redução das emissões.  Quanto à reciclagem, a estimativa é de que 100 bilhões de embalagens usadas sejam recicladas até o final da década. O que resulta na disponibilização de todo o material para a fabricação de novos produtos para o mercado.

 

Matérias-primas e produtos

Sobre as matérias-primas utilizadas, a empresa informou, no comunicado à imprensa do dia 21, que vai aumentar para 100% o uso das fibras de madeira retiradas de florestas sustentáveis.  A certificação Forest Stewardship Council (FSC) estará em todas as embalagens feitas com as fibras e o objetivo é duplicar, comparativamente a 2010, os produtos com os selos de certificação ambiental, totalizando 16 bilhões de embalagens até o fim de 2011.

 

Em 2012, a empresa avalia ainda que 50% das metas relacionadas a utilização das fibras sejam alcançadas. Uma outra solução encontrada pela Tetra Pak é a adoção de polietileno verde nas suas embalagens.  Por isso, a companhia sueca, presente há 50 anos no Brasil, já assinou com a Braskem, fabricante do material a partir da extração da cana-de-açúcar, para começar a fabricação de uma embalagem totalmente sustentável ainda em 2011.

fonte:http://www.cidademarketing.com.br

publicado por adm às 22:26

Abril 23 2011

Quando o assunto é gerar economia de maneira sustentável, agregando valores e gerando emprego, Mato Grosso é um dos Estados mais visado pelas empresas nacionais e internacionais. Exemplo disso é a empresa Recicla Sol, que recebeu incentivo fiscal do governo do Estado, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme) e já está em fase de implantação.

Com a reserva de área de 6 mil m², a empresa está sendo instalada em um terreno do Distrito Industrial de Cuiabá. As obras já estão avançadas. O investimento inicial é de aproximadamente R$ 6,7 milhões com atividades de reciclagem de pneus que não tem mais utilidade (inservíveis).

De acordo com a equipe técnica da Sicme, a empresa tem pretensão de adquirir mais dois terrenos para trazer parte da unidade que está previamente instalada em galpões alugados em Várzea Grande. Assim se tornará um único empreendimento concentrado no Distrito Industrial.

A equipe informou também que a Recicla Sol já está enquadrada no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic) e, após assinatura do Termo de Compromisso, terá redução no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), para aquisição de maquinários.

Utilizando a técnica chinesa de reciclagem de pneus inservíveis (pirólise) a Recicla Sol produzirá e comercializará óleos combustíveis. De acordo com o Secretário de Estado da Sicme, Pedro Nadaf, a indústria tem capacidade de gerar 480 toneladas (t) de óleo, 480 t de carbono preto (negro do fumo) e 20 t sucata de aço. “A unidade deve gerar cerca de 30 empregos diretos e 90 indiretos”.

O superintendente de indústria da Sicme, Sérgio Romani, acrescenta que Mato Grosso ganha com a instalação da empresa, uma vez que a indústria aumentará o emprego no Estado e contribuirá com o meio ambiente. “O Governo tem incentivado grandes empresas a virem para Mato Grosso. Isso gera satisfação para quem mora aqui. Com a chegada destes empreendimentos a economia do Estado se fortalece”.

 

TECNOLOGIA

A Recicla Sol é a empresa exclusiva da América Latina com a tecnologia oferecida. Fazem parte da sede da Companhia o instituto de análise, laboratórios térmicos, bases para testes piloto, experimental, fábricas e equipamentos. Com coordenação de 14 empresas cooperativas de equipamentos, o grupo possui um grande número de peritos em quebra da borracha pelo processo de pirólise, indústria petroquímica e de concepção de processamento químico e equipamentos.

A pirólise de pneus gera os seguintes produtos: óleo, gás, aço, carbono preto (negro do fumo). Além de oferecer a oportunidade de processar milhões de pneus por ano, de uma maneira econômica e ambientalmente sustentável, não produz resíduos que causam danos ao meio ambiente.

fonte:http://www.odocumento.com.br/

publicado por adm às 00:05

Abril 21 2011

A Tetra Pak anunciou hoje novos objectivos ambientais de crescimento sustentável, um plano que inclui, por exemplo, duplicar a taxa de reciclagem das suas embalagens usadas até 2020. Atendendo à previsão de crescimento anual de 5% da produção, esta meta significa que 100 mil milhões de embalagens usadas serão recicladas até 2020.

A empresa explicou ainda que pretende reduzir, até 2020, as suas emissões de carbono para os níveis de 2010, ao mesmo tempo que mantém o seu crescimento de produção. Com uma taxa de crescimento anual estimada em 5%, este objectivo implicará uma redução de 40% das emissões de CO2 relativas a todos os processos de produção.

Esta redução não incluirá apenas as operações da Tetra Pak, mas de toda a cadeia de valor da empresa.

A multinacional sueca assume também como meta, a médio prazo, a produção de uma embalagem totalmente sustentável, fabricada apenas a partir de materiais reciclados e com um impacto ambiental reduzido – e com um pegada ecológica mínima.

“A eficiência ambiental sempre foi uma das prioridades da estratégia de crescimento da Tetra Pak, uma área que a empresa considera crítica tanto para o seu desenvolvimento de negócio como para o desenvolvimento da sociedade”, explica a Tetra Pak em comunicado.

Em relação às matérias-primas sustentáveis, a Tetra Pak pretende aumentar para 100% a utilização de fibra de madeira proveniente de florestas sustentáveis e certificadas como Forest Stewardship Council (FSC), estabelecendo como meta atingir 50% desse objectivo em 2012.

“Hoje, a Tetra Pak desvenda a verdadeira ambição dos seus objectivos ambientais”, afirmou Dennis Jönsson, presidente e CEO da Tetra Pak. “Estas são metas difíceis e alcançá-las será um enorme desafio – mas nós estamos empenhados em pensar e em investir de forma inovadora aplicando nelas toda a nossa experiência e assumindo o nosso compromisso para garantir que as vamos alcançar. Estamos de novo a aumentar os nossos objectivos porque consideramos a performance ambiental como um factor crítico para o crescimento sustentável e lucrativo, tanto para nós como para os nossos clientes”, concluiu o responsável.

fonte;http://www.greensavers.pt/

publicado por adm às 22:57

Abril 10 2011

Sutiãs velhos entregues em lojas de roupa interior conferem descontos de 3 a 5 euros na compra de peças novas e são depois reciclados para utilização no fabrico de painéis isoladores e de absorção sonora. 

Em Portugal, essa estratégia está agora a ser praticada pela Intimissimi e Triumph, sendo que a marca italiana desconta três euros ao valor de um sutiã novo na retoma de um velho e a alemã, no mesmo procedimento, abate 5 euros na compra do cliente. 

Francesca Vellano, do Departamento de Comunicação e Imagem do grupo Calzedonia, que detém a Intimissimi, afirma que essa "é a primeira marca de roupa íntima a propor a destruição e reciclagem de sutiãs velhos com a finalidade de produzir painéis absorventes e isoladores de som capazes de atenuar vários tipos de poluição sonora e de assegurar excelentes performances de insonorização em qualquer estrutura". 

"É também a primeira vez que a actividade da reciclagem utiliza sutiãs para a produção de revestimentos permeáveis", realça a mesma responsável. 

"A Intimissimi procura afirmar-se como brand ecológica e de tendência, reduzindo a sua pegada ecológica e a dos seus clientes, apoiando a eco-sustentabilidade e transmitindo a ideia de que uma atitude defensora e amiga do ambiente é uma moda intemporal". 

Madalena Moniz Pereira, chefe do Departamento de Marketing da Triumph Portugal, recorda que esta prática de incentivo à reciclagem de sutiãs usados foi lançada na Alemanha em 2009, revelando-se um "case study de sucesso" que depois "foi adoptado por outras marcas da concorrência". 

A Portugal, a campanha chegou em Março de 2010 e resultou num "êxito de vendas", até porque, "numa altura em que a crise económica anda de mãos dadas com os consumidores, é natural que as marcas - umas mais criativamente, outras menos - criem soluções que vão de encontro às expectativas dos seus clientes". 

Efeitos para a saúde

Madalena Moniz Pereira realça também que a reciclagem de sutiãs tem ainda um efeito prático na saúde das utilizadoras. "Cerca de 80% das mulheres usam o número e o tipo de sutiãs errado para o seu corpo", observa. 

"Como não sabem escolher e têm algum embaraço em perguntar, compram lingerie por impulso e, às vezes, essa é usada uma vez e posta de lado, porque a mulher não se sente confortável". 

"Agora, mesmo numa altura de crise, as mulheres vão poder trocar os sutiãs cujas alças lhes fogem dos ombros, que têm elásticos frouxos ou que pura e simplesmente não as fazem sentir confortáveis", conclui. 

Os sutiãs usados recolhidos nas 58 lojas que a Intimissimi tem em todo o País vão ser entregues à empresa OVAT Campagnari SRL, que Francesca Vellano aponta como "líder na recolha e recuperação de materiais", com base na experiência que os seus fundadores recolheram inicialmente no sector da construção civil e que agora alargam à área dos têxteis e do ambiente. 

Só no que se refere ao tratamento de resíduos e desperdícios derivados de fiação, tecelagem, malharia e embalagens, a empresa processou o ano passado mais de mil toneladas de material, transformado depois em produtos semi-acabados para reingresso na linha produtiva, como é o caso de absorventes acústicos, isoladores térmicos, estofados, materiais de limpeza e cortinas.

fonte:http://www.sabado.pt/

publicado por adm às 22:32

Abril 07 2011

Em 2010, no conjunto das empresas do universo da EGF, foram recolhidas cerca de 288 mil toneladas de resíduos de embalagem, o que representa um crescimento de 11 por cento, face ao ano anterior.

O volume das retomas de embalagens em 2010 suplantou as metas definidas para este ano no universo do grupo em quase todas as fileiras, destacando-se o fluxo papel/cartão, com 113 por cento de cumprimento, e as embalagens de plásticos, com 112 por cento. As fileiras do aço e do alumínio registaram valores de retoma de 105 por cento e de 102 por cento relativamente às metas, sendo que a maior dificuldade se registou nas retomas do vidro, que se quedou pelos 78 por cento de cumprimento, acompanhando a tendência do conjunto do universo das entidades gestoras de resíduos em Portugal.

«Estes resultados são um contributo muito relevante para o aumento da reciclagem de resíduos de embalagem, que em 2010 ficou acima das metas previstas para 2011», destaca Emídio Xavier, presidente do Conselho de Administração da EGF, acrescentando que «é essencial continuar a sensibilização as populações para a deposição das embalagens nos ecopontos e ecocentros, especialmente na componente do vidro, para que possamos manter a rota da sustentabilidade».

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 22:18

Abril 02 2011

Chama-se AquaCycle e é um sistema de reciclagem de águas cizentas, que faz parte da carteira de soluções da empresa Ecoágua. E, segundo o responsável, Vítor Simões, as perspectivas mundiais no que toca à escassez do recurso fazem com que estes sistemas sejam uma aposta cada vez mais forte: «Metade da população mundial irá ter falta de água em 2025, sendo que falta de água significa, obviamente, desaceleração do crescimento», sublinhou o gestor, no âmbito do workshop Água Renovável- Prosperidade Renovável, que decorreu no dia 17 de Março, em Lisboa.

A tecnologia já é bastante utilizada em mercados como Espanha ou Alemanha, e consiste no aproveitamento e recuperação das águas provenientes dos banhos e dos lavatórios. A redução do consumo pode ir até aos 50 litros diários por pessoa, segundo as contas da empresa. Os usos possíveis são as descargas sanitáeias, limpeza e rega.

O sistema funciona da seguinte forma: na fase de pré-filtração é removido algum do material orgânico(cabelos, sólidos, etc), passando-se depis para a fase do pré tratamento biológico, na qual os microorganismos diminuem o volume de resíduos na água. É também feita a aeracção periódica de todo o processo e passa-se à fase da sedimentação, sendo a água depois bombada para o segundo tanque.

Na fase de tratamento biológico, o processo anterior é repetido, passando-se posteriormente para a desinfecção por UV, onde são desactivadas bactérias e vírus, através da radiação com lâmpada UV.

A empresa tem já 1200 sistemas instalados, sendo que os principais clientes são empresas e o sector da hotelaria. Em Portugal, uma das soluções está instalada no hotel Yeatman, no Porto. Para além da reciclagem de águas cinzentas, são também aproveitadas as águas pluviais e subterrâneas. O destino final, neste caso, são as descargas sanitárias.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:27

Tudo sobre a Reciclagem
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
subscrever feeds
links