Reciclagem

Janeiro 30 2011

A Valorlis recolheu selectivamente, em 2010, 11,5 mil toneladas de resíduos, um aumento de 2,7 por cento, comparativamente ao ano anterior. Parcelarmente, registaram-se aumentos de mais 1,4 por cento no vidro, 2,2 por cento no papel/cartão e mais de 8,5 por cento nas embalagens de plástico e metal.

Miguel Aranda da Silva, administrador-delegado da Valorlis, salienta que os munícipes estão mais conscientes das suas práticas diárias, e estão mais sensibilizados para a repercussão que estas terão na preservação do ambiente. «É ao seu esforço que devemos estes resultados, porque a sua actuação correcta é imprescindível para a recolha selectiva, e a Valorlis reconhece e agradece essa colaboração, procurando retribuir com um serviço cada vez melhor e que vá ao encontro das suas necessidades e expectativas», acrescenta.

Em 2011 a Valorlis espera aumentar os índices de deposição nos ecopontos, um esforço que «será complementado também com uma cada vez maior sensibilização para a redução de produção de resíduos, que já tem estado nas nossas prioridades, e que nos permite trabalhar ainda antes da deposição, evitando que se cheguem a produzir os resíduos».

fonte:ambienteonline

publicado por adm às 18:20

Janeiro 21 2011

Com o objetivo de conscientizar os consumidores sobre a importância da separação dos resíduos domésticos para serem reciclados, a Tetra Pak inicia no próximo domingo, 23, nos intervalos do programa Fantástico, com a atriz Irene Ravache, campanha de R$ 2 milhões em que o destaque é a afirmação de que as embalagens longa vida são 100% recicláveis. A ação, desenvolvida pela agência M&C Saatchi, é a terceira campanha da empresa com foco na conscientização do consumidor. Na primeira, em 2008, foram investidos R$ 8 milhões; em 2010, mais R$ 3 milhões, em merchandising durante a novela Passione (TV Globo), com a personagem da socialite Clô, interpretada pela mesma Irene Ravache. Segundo Elisa Prado, diretora de comunicação da Tetra Pak, atualmente 25% de todas as embalagens longa vida são recicladas, e a expectativa da empresa é que até 2014 esse montante chegue a 40%.

fonte:http://www.embalagemmarca.com.br/

publicado por adm às 22:48

Janeiro 20 2011

A quantidade de resíduos sólidos urbanos (RSU) enviados para aterro continua a subir em Portugal. Os números constam de um relatório de balanço sobre a gestão de lixo elaborado pela Comissão Europeia que revela que a parcela de resíduos urbanos depositada em aterros está a descer na União Europeia, indo de encontro ao estabelecido na legislação comunitária, que define a deposição em aterro como uma alternativa a evitar.

Segundo o relatório, a quantidade de RSU depositados em aterro caiu de 62 por cento para 42 por cento no conjunto dos 15 Estados-membros mais antigos, entre 1995 e 2007, e de 87 por cento para 79 por cento, entre os 12 novos integrantes da UE. No entanto, Portugal, Bulgária, Malta, Roménia, Eslováquia e Eslovénia fizeram um percurso inverso à média.

Especificamente, em Portugal, a percentagem de deposição em aterro subiu de pouco mais de 50 por cento para mais de 60 por cento, entre aquelas datas. Dados mais recentes, divulgados pela Agência Portuguesa do Ambiente, revelam que a quantidade de lixo que teve o aterro como destino voltou a subir em 2008 (para os 65,5 por cento), mas voltou a cair para 62 por cento em 2009, devido ao aumento dos valores da reciclagem e da incineração.

Numa informação enviada à agência Lusa, o Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território argumenta que o aumento do recurso a aterros «é o resultado directo do abandono da deposição em lixeiras», demonstrando «uma evolução positiva em matéria de gestão de resíduos e não a uma degradação».

Isto porque o intervalo avaliado no relatório de Bruxelas coincide com o período em que foi iniciada uma mudança de paradigma na gestão de resíduos em Portugal. De recordar que, entre 1996 e 2002, foram encerradas mais de três centenas de lixeiras em Portugal, que foram substituídas por 34 aterros sanitários, duas incineradoras e uma rede crescente de recolha e reciclagem de resíduos.

O processo continua em marcha e, até 2012, o Ministério do Ambiente espera que seja possível reduzir em 20 por cento o recurso a aterros, «alcançando-se assim valores mais consentâneos com a média europeia». De acordo com a legislação europeia, os aterros devem ser o último recurso para o lixo urbano e, até 2020, será necessário reciclar 50 por cento dos resíduos urbanos e 70 por cento dos resíduos de construção e demolição.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 22:46

Tudo sobre a Reciclagem
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
subscrever feeds
links